Vale a pena manter uma moto? Qual é o custo?

Compromissos diários, trabalho, aula, reuniões e entregas. Ir e vir nas grandes cidades não é tarefa fácil de encarar, mas é necessário. O transporte público é uma alternativa, mas nem sempre é possível contar com ele e, para muitos, chega a ser inviável.

Então, se você também precisa sair de casa todos os dias, sabe que o trânsito intenso é parte fundamental da rotina, já que toma boas horas diárias. Por conta disso, muitas pessoas que veem o carro como um bem necessário, passam a considerar o uso das motos.

Ter uma moto pode mesmo ser uma grande economia, que vai do valor investido na compra da motocicleta, dependendo do modelo, até o combustível e o ganho de tempo para realizar suas atividades no dia a dia. Porém, tudo tem dois lados. Se você está começando a considerar a possibilidade de trocar o carro por uma moto, ou está em dúvida sobre por qual optar, analise a sua rotina e coloque tudo na ponta do lápis. Trouxemos algumas dicas para te ajudar, caso esteja esquecendo alguns detalhes.

Quanto custa manter uma moto?
Na verdade, alguns custos passam batidos por nós, seja na compra de uma moto, ou de um carro. Como muita gente acaba trocando o carro pela moto por uma questão de economia, é bom lembrar todos os detalhes e custos que não aparecem no momento da compra, mas ao longo do ano podem gerar surpresas.
Logicamente, todas essas dicas são válidas apenas para os motoristas que estão habilitados a dirigirem moto e carro, caso contrário, a habilitação do tipo A também será necessária – e um custo a mais.

A moto também paga IPVA. Qual é o valor?
Lembre-se que todo ano devemos pagar o IPVA e não é diferente com as motocicletas. Cada Estado tem seu percentual, mas em São Paulo, por exemplo, onde o valor do IPVA de um carro é de 4% de seu valor de venda determinado pela tabela FIPE, para a moto é 2%.
Manutenções básicas
Também deve ser feito com certa frequência, assim como os carros. Geralmente, com frequência até maior. De qualquer forma, é inevitável dizer que todas as manutenções, e até o gasto com combustível, são menores com a moto. O mesmo vale para as peças e equipamentos básicos.
E no quesito segurança?
Sabemos que, no que diz respeito a acidentes, os motoristas de carros estão muito mais protegidos por estarem dentro de seus veículos. Apesar de os acidentes serem um risco para todos, sabemos que a imprudência é um ponto a ser pensado. Portanto, dizer que se envolverá mais em acidentes, caso troque o carro pela moto, é muito relativo.
Do ponto de vista de roubos e furtos, as motos também são alvos fáceis. Em boa parte dos casos, o seguro para a moto costuma ser bem elevado, o que faz os proprietários abrirem mão da segurança.
Como alternativa, os rastreadores são a principal saída, porque podem monitorar e rastrear, em casos de furtos e roubos, e dar a localização exata, através de aplicativos. Nesse caso, o valor pago mensalmente é bem baixo (R$69,00 mensais pela GS Seg) e você ainda poderá contar com a assistência 24h!
Além disso, há também a possibilidade de escolher o rastreador com indenização no valor da tabela FIPE, caso a sua moto não possa ser encontrada. Para fazer uma cotação, clique aqui.
Outro detalhe: ainda que seja mais fácil estacionar nas ruas, a melhor opção ainda é procurar por estacionamentos mais seguros. O valor, em alguns locais, acaba sendo menor para as motos – mais um ponto para a economia!

Lembrando que todos esses pontos devem ser levados em consideração a partir de um contexto. O quanto você usará o veículo, se precisará transportar algo, qual é o modelo em questão, e muitos outros detalhes.
E aí? Para as suas necessidades, a moto é uma boa? Procure a GS Seg e use seu dinheiro para investir na segurança de sua motocicleta: http://gsseg.com.br/Na-sua-moto